sexta-feira, 23 de maio de 2014

TOP Qualquer Coisa: Frescurinhas e coisas irritantes

Fala meus amores, como estão vocês? Hoje vamos começar com um novo bloco (se é que dá para chamar assim fora da TV) aqui do blog, que é o TOP Qualquer Coisa. Chamarei ele assim pois não tenho um número em mente logo no início do post. Na verdade eu pensei nisso hoje as 15:34 enquanto estava no banheiro. Não sei se mais pessoas fazem isso, essa coisa de não ter um "roteiro" não cabeça, sabe? De ir tendo as ideias enquanto escreve. Agora voltando ao post (já iam se esquecer, não é?), hoje vamos revisar algumas coisas das nossa adolescência ou infância que certamente nos irritavam MUITO. Sigam-me e preparem-se para lembranças constrangedoras, flashbacks e "Oh God, why?". VAMOS LÁ!

Mãe entrar em situações impróprias

Você estava lá, com sua internet discada, fazendo Deus olhar essa sua zuera lá de cima, então você tem a "brilhante" ideia de tocar sanfona pois não consegue segurar os hormônios. Então você fica fazendo justiça com as próprias mãos e -CABLAM FELHA DA PUTA- a suã santa mãezinha, aquela casta e pura aparece. Com adrenalina correndo pelo sangue, não consegue nem pensar se solta o bem-te-vi ou fecha o pornô. Eu estou com vergonha só de estar digitando isso, cara.

Toda situação que envolve um parente chato

Todo mundo tem parentes chatos, desde aquela tia que te deu A PORRA DE UMA MEIA no Natal ou aquela vó que diz que videogame estraga a TV. Eu não tive muita experiencia com esse tipo de caso, pois só aconteceu três vezes, a primeira e a terceira vez, respectivamente, foram os exemplos que eu citei. Agora vou contar como foi a segunda (nem pense em pular para o próximo, seu filho puta); eu e meu melhor amigo combinamos de ele ficar na minha casa por alguns dias durante as férias em fevereiro. Até aí tudo bem, mas o problema era que a casa meio que virou um hotel. Uma menina chata que insistia em ficar me visitando (aquela pessoa chata que você tem que fingir amizade para não magoar os sentimentos dela, sabe?) resolveu me azucrinar ficando lá desde janeiro, uma cama já foi ocupada. Minha avó (que era chata pácaraleo) resolveu ficar lá também, duas camas já foram ocupadas. Duas primas minhas ficaram lá até abril enquanto procuravam apartamentos, elas não eram tão chatas assim, mas quando tentavam ser legais era um CU. Contudo todas as camas haviam sido ocupadas (pro meu azar todas ficavam no meu quarto e eu tive que ficar no chão com cobertores ao invés de no mínimo colchão) e meu amigo não pode sequer passar ali, pois digamos assim que todos os hóspedes residentes eram tremendamente desprezíveis com as visitas. Certa vez quando este amigo conseguiu me visitar e depois quando foi embora para casa, minha avó sussurrou: "Isso mesmo, mas vai-te embora guri de merda!... Que mania é essa de ficar vindo na casa dos outros!?". Mano, acho que nem precisa pensar muito pra saber que baita burrada eu fiz na hora, né? Bom, pra me deixar mais puto ainda, ele se mudou três dias depois sem sequer poder falar comigo. Daora a infâcia, não é?

Aquele ranho maroto

O maior causador de vergonhas, ele te envergonha de todos os jeitos possíveis: seja escorrendo, seja fazer você ficar fungando de meio em meio segundo num lugar silencioso ou aquele negócio preso no seu nariz e só você não notou
-
-
-
E aí, pessoal, o que acharam do post? Eu sei que ficou muito curto, mas repetindo, eu não sei o que vou escrever a seguir da próxima frase, pode ser qualquer coisa, sei lá, não tenho um roteiro programado e escrito pra postagem... Se bem que é pra isso que serve o rascunho e eu tô mais é falando asneira...

Isso é tudo, pessoal!

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Going to the store

Só mais um dia normal, de boas.

Indiana Jones greatest adventures



 Puta que me pariu, Indiana Jones é minha franquia de filmes favorita, considero até melhor que Star Wars, tem bons filmes, boas músicas, bons jogos. Como por aqui a gente tenta focar em jogos, vamos falar dos jogos do Indiana Jones. A maioria deles saiu para computadores, como aquele de Atlântida e talz, mas esse aqui é o de SNES e diferente dos jogos de Star Wars, teve tudo resumido em um só jogo: Indiana Jones greatest adventures!

"South America, 1936" melhor que "A long time ago[...]"!



Bem, eu acho que não tem muito o que falar aqui, não é? Quem viu os filmes praticamente sabe a história do jogo. O jogo segue a mesma ordem dos filmes, seguindo as mesmas fases e tendo aqueles diálogos com imagens dos filmes, Igual aos jogos de Star Wars. O jogo segue as fases como cenas dos filmes, até adiciona algumas que nunca aconteceram nos filmes, o que não deixa de ser legal, se for parar pra pensar em outros jogos em filmes, quando eles acrescentam alguma coisa que não tem no filme ao jogo, SÃO AS PARADAS MAIS TOSCAS, tipo zumbis no jogo do Jason pro NES, como exemplo.

A insanidade toma conta de você


As coisas aqui são básicas dos jogos do Super Nintendo, bate (carinha aquela) no Y e pula no B. As armas como chicotes, revólveres e etc, você encontra geralmente em mochilas e uns trecos que ficam parados no ar que eu não faço ideia do que são. Sério, os coisos parecem um mini-satélite alienígena. Uma coisa que você tem que saber aqui é que O JOGO VAI TE COMER DE QUATRO SE VOCÊ DEIXAR! Realmente, virar o jogo é uma tarefa árdua, igualmente aos jogos de Star Wars, não é aquela dificuldade justa e desafiadora, É AQUELA QUE VOCÊ FICA COM PRESSÃO ALTA DE TANTA RAIVA! Eu me lembro que geralmente eu não conseguia passar da fase do Nepal sem pelo menos dar umas jogadas do controle no chão... Ou vai ver eu sou uma bichinha que não aguenta uma.

Tararãrã tararããam (imagine a música tema do Indiana Jones)


A música, efeitos sonoros e "dublagem" são ótimos para um jogo 16 bit. Os temas dos filmes são reproduzidas muito bem por aqui.

Nas palavras de Steven Hawking: "Pernas pra que te quero!"

E voltamos aquele estado em que o jogo é tão bom que eu não consigo descrevê-lo para você, meu caro leitor. Ele é simplesmente bom, gostoso e prazeroso de se jogar (sem malícia aqui, por favor)!
Realmente Indiana Jones ficou esquecido por bastante tempo nos games. Mas esse jogo aqui é recomendado para todos os fão da franquia!

NOTA: 8,5

Prós:
>Boa jogabilidade
>Divertido
>Boas músicas
>Level desing bom

Contras:
>Muito difícil
>Passwords difíceis de lembrar

Isso é tudo, pessoal!

segunda-feira, 21 de abril de 2014

Streets of Rage 2



Olá, tudo bem co'cêis? Hoje eu me lembrei do que era uma das melhores, senão a melhor, franquias do Mega Drive! Estamos falando de Streets of Rafe 2 (durr, não leu o título?), que pelo menos minha pessoa considera melhor que o 1 ou o 3. Sigam-me os bons!

Historinha

No passado, os ex-tiras do barulho Alex, Adam e Blaze estavam felizardos por sua vitória contra os vilões. Agora Alex virou um segurança, Alex volta para a polícia e Blaze vira professora de dança... queria te ver fazendo uns alongamentos sua lynda rçrçrçrç- OPS, quer dizer... quer saber, esquece, prosseguindo, um dia o irmão de Adam, Skate (belo nome, não?), chega em casa, vê que tudo está um bagaço (que nem a cara da sua mãe) e entre os escombros, encontra uma foto de seu irmão amarrado e violentado.
Adam tinha sido sequestrado pelo Mr.X, então Skate chama Alex, Blaze e Max, um lutador de boxe amigo de Axel, para restaurar a ordem da galáxia.

DESCE O CACETE!



Por enquanto tudo está igual ao primeiro jogo, mas uma coisa legal a acrescentar é que agora cada personagem tem dois especiais diferentes, um parado e outro se mexendo. Cada personagem tem diferenças: Max é bem forte mas parece uma tartaruga com AIDS nas pernas; Skate é fraco pra caralho mas é rápido e Axel e Blaze são normais.

Tuts tuts tuts...

Uma coisa memorável nessa obra de Deus, é a trilha sonora, principalmente a da primeira fase que parece a de uma discoteca. O áudio e os gritos são ótimos para um jogo de Mega Drive, que geralmente tinha ISSO: https://www.youtube.com/watch?v=tyF7LB_nd9w.

E como é que fica a situação, seu cabra?

Eu simplesmente não sei o que falar sobre SOR2, é tão bom que eu não consigo definir, simplesmente jogando pra entender o quão bom é esse jogo.

NOTA:

Prós:
>Divertido
>OST incrível
>Jogabilidade boa

Frescurinhas minhas (não chega a ser um contra):
>Muitos inimigos clonados
>Pô, sacanage issaê de tirar o Adam!

9-BOM

Isso é tudo, pessoal!

sábado, 19 de abril de 2014

Super Mario Land

                                                      



 E aí miguxinhos, estão bem? Pra começar, vamos à nossa primeira review de um jogo portátil com um jogo simples e divertido, nada mais nada menos que Super Mario Land! É, não é muuuito especial assim, afinal, é um jogo do Mario, e todo mundo sabe como um jogo do Mario funciona. Mas bem, vamos ao review!


"Your princess is in another..."- FUCK YOU!

                                      


 Como eu já falei aqui, todo mundo sabe como um jogo do Mario é, principalmente no quesito história. Peach foi raptada pelo Bowser e agora você tem que salvá-la e... HOJE NÃO, VADIA! Dessa vez a história se passa no mundo de Sarasaland que tem quatro reinos: Birabuto, Muda, Easton e Chai. Um dia surgiu um monstro espacial chamado Tatanga, que hipnotizou os habitantes e sequestrou a princesa Daisy, pra se tornar o rei da porra toda. E vocês sabem o resto, agora Mario tem que salvá-la e tal.


Simplório mas divertido                                               

                                      
   
  Aqui eu não preciso falar muito, não é? Basicamente um terço do mundo sabe como um jogo do Mario funciona. Você pula, corre e muda de tamanho. A diferença aqui é pequena, como por exemplo as flores não te fazem soltar fogo, e sim uma bola que sai quicando; as tartarugas que explodem ao invés de deixar empurrar o casco e as fases de "navinha".


Agradável aos ouvidos

O jogo tem uma musiquinha até que agradável, não tem muito o que falar dessa parte, não é muito boa nem muito ruim, só ok mesmo. 

Tá, mas e aí?

Bem, Super Mario Land é... um jogo do Mario... Não tem muito o que falar dele. Só tem uma coisa: o Shigeru Myamoto não teve participação nesse jogo, sequer é mencionado nos créditos. Se você for notar, o jogo tem meio que uma pegada alienígena... O que é meio bizarro para um jogo do Mario, mas não é nada demais.

 NOTA:

Prós:
>Bom contraste de cores
>Divertido

Contras:
>Enjoa rápido


7- BOM                            




Megaman VII

                                       


 Ah... Mega Man (ou Rock Man, ou ainda PEDRA MÃO pra foder de vez) , o que antes foi o mascote da Capcom, agora só serve como um corpo para ela estuprar e lhe tirar toda a glória que ainda lhe resta.
   Mega Man 7 foi odiado pelos "Mega Man 2 fags" pela mudança no estilo dos jogos de 8-bits para 16-bits, e eu acho que eles são uns viadinhos, pois do meu ponto de vista, tem a melhor trilha sonora, level desing e variação de toda série clássica.

   MAS O QUE ESTAMOS ESPERANDO? JUNTEM-SE À MIM NESTA AVENTURA E VAMOS EM FRENTE! YEEEEEHAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Tudo aquilo em vão...

                                     
A história de Mega Man 7 se passa seis meses após o final de Mega Man 6, onde o robô de pijamas finalmente conseguiu prender Dr. Wily e trancafia-lo em uma cela de penitenciária futurística, onde provavelmente foi vítima de abusos de homens negros de grande porte... YAAAY! Mas como Wily era bastante esperto, deixou quatro robôs em um laboratório secreto que se não recebessem uma ordem de Dr. Wily durante seis meses, se auto-ativariam e sairiam m busca de seu criador custe o que custar. AAAaahh... Passando este tempo, Wily fugiu da cadeia e agora é o dever de Mega Man derrotar os oito Robot Masters e aquela ladainha de sempre.



Anteriormente Wily também criou Bass, que deu um sai-pra-lá no velho e decidiu destruir Mega Man sozinho.

Melhor gameplay de toda a série!

   O Mega Man em si não mudou nada, dá rasteira, pula e dá tiro carregado. Mas o jogo... ah meu amigo...
...


...


...

É FODA PRA CARALHO! É simplesmente incrível ia mudança que eles fizeram desde os jogos 8-bits, aqui você vários (VÁRIOS, PORRA) itens para pegar em áreas secretas em diferentes lugares das fazes, o que torna as torna bem abertas e acrescenta bastante exploração ao jogo.




Músicas memoráveis que grudam feito chiclete.

                                       
   Mega Man sempre teve uma ou duas músicas que ficavam na nossa cabeça durante algumas horas do dia (como por exemplo o tema do estágio do Dr. Wily em Mega Man 2, o encerramento de Mega Man 3, o jingle de quando você escolhe um estágio...), e aqui segue a regra. Basicamente todas as músicas combinam muito bem com a fase em questão, sério, dá pra sentir o clima e tensão quando for um estágio com uma música marcante, principalmente a do primeiro estágio e a do estágio de Shade Man.

Presta ou não presta?

Mega Man 7 deve ser, se não é, o melhor jogo da franquia clássica, talvez superando até Mega Man X, quem sabe. Aqueles que nunca jogaram Mega Man 7 justamente por fanboyolice ao 2, deveriam ter vergonha na cara de se dizerem fãs da franquia, sem nunca ter jogado e conferido se lhe agrada ou não, mas vão enfiar um enema no cu, seus desgraçados!

NOTA:

Prós:
> Tudo

Contras:
< Nada


10- ÓTIMO


Isso é tudo, pessoal!